terça-feira, 31 de agosto de 2021

VOCÊ É...

www.iriahorn.net Iria Horn

VOCÊ É...





Você é os brinquedos que brincou, as gírias que usava, você é os nervos a flor da pele no vestibular, os segredos que guardou, você é sua praia preferida, Garopaba, Maresias, Ipanema, você é o renascido depois do acidente que escapou, aquele amor atordoado que viveu, a conversa séria que teve um dia com seu pai, você é o que você lembra.

 

Você é a saudade que sente da sua mãe, o sonho desfeito quase no altar, a infância que você recorda, a dor de não ter dado certo, de não ter falado na hora, você é aquilo que foi amputado no passado, a emoção de um trecho de livro, a cena de rua que lhe arrancou lágrimas, você é o que você chora.

 

Você é o abraço inesperado, a força dada para o amigo que precisa, você é o pelo do braço que eriça, a sensibilidade que grita, o carinho que permuta, você é as palavras ditas para ajudar, os gritos destrancados da garganta, os pedaços que junta, você é o orgasmo, a gargalhada, o beijo, você é o que você desnuda.

 

Você é a raiva de não ter alcançado, a impotência de não conseguir mudar, você é o desprezo pelo o que os outros mentem, o desapontamento com o governo, o ódio que tudo isso dá, você é aquele que rema, que cansado não desiste, você é a indignação com o lixo jogado do carro, a ardência da revolta, você é o que você queima.

 

Você é aquilo que reinvidica, o que consegue gerar através da sua verdade e da sua luta, você é os direitos que tem, os deveres que se obriga, você é a estrada por onde corre atrás, serpenteia, atalha, busca, você é o que você pleiteia.

 

Você não é só o que come e o que veste. Você é o que você requer, recruta, rabisca, traga, goza e lê. Você é o que ninguém vê.

 

Martha Medeiros

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Entenda como luz detectada em buraco negro cumpre previsão de Einstein

www.iriahorn.net Iria Horn

Buraco negro chamado Cygnus X-1Foto: M.Weiss / CXC - Nasa



E se esse buraco negro for o túnel da passagem para o outro lado descrito por muitos, experiência pós morte? (Meditação By Iria Horn)


A descoberta cumpre previsão enraizada na teoria da relatividade criada pelo notório cientista

 Ashley Strickland, da CNN

03 de agosto de 2021 às 08:00

Wilkins notou flashes menores de raios-X que ocorreram depois e eram de cores diferentes - e eles estavam vindo do outro lado do buraco negro.

"Qualquer luz que entra naquele buraco negro não sai, então não devemos ser capazes de ver nada que esteja por trás do buraco negro", disse Wilkins, autor do estudo e cientista pesquisador do Instituto Kavli para Astrofísica de Partículas e Cosmologia na Stanford University e SLAC National Accelerator Laboratory em um comunicado.


 Um show de luzes como nenhum outro visto no espaço.

 Pela primeira vez, os cientistas detectaram luz atrás de um buraco negro, e ela cumpre uma previsão enraizada na teoria da relatividade geral de Albert Einstein.

 O astrofísico da Universidade de Stanford Dan Wilkins e seus colegas observaram raios-X que foram liberados por um buraco negro supermassivo localizado no centro de uma galáxia que fica a 800 milhões de anos-luz da Terra.

 Essas intensas chamas de luz não são incomuns porque, embora a luz não possa escapar de um buraco negro, a enorme gravidade ao seu redor pode aquecer o material a milhões de graus. Isso pode liberar ondas de rádio e raios-X. Às vezes, esse material superaquecido é lançado no espaço por jatos rápidos - incluindo raios X e raios gama.

 Mas Wilkins notou flashes menores de raios-X que ocorreram depois e eram de cores diferentes - e eles estavam vindo do outro lado do buraco negro.

 "Qualquer luz que entra naquele buraco negro não sai, então não devemos ser capazes de ver nada que esteja por trás do buraco negro", disse Wilkins, autor do estudo e cientista pesquisador do Instituto Kavli para Astrofísica de Partículas e Cosmologia na Stanford University e SLAC National Accelerator Laboratory em um comunicado.

 No entanto, a natureza estranha do buraco negro realmente tornou a observação possível.

 "A razão pela qual podemos ver isso é porque aquele buraco negro está deformando o espaço, dobrando a luz e torcendo os campos magnéticos em torno de si mesmo", disse ele.

 O estudo foi publicado na última quarta-feira (29) na revista Nature.

 "Cinquenta anos atrás, quando os astrofísicos começaram a especular sobre como o campo magnético poderia se comportar perto de um buraco negro, eles não tinham ideia de que um dia poderíamos ter as técnicas para observar isso diretamente e ver a teoria geral da relatividade de Einstein em ação", disse Roger Blandford, co-autor do estudo e Luke Blossom Professor na Escola de Humanidades e Ciências e professor de física na Universidade de Stanford, em um comunicado.

 A teoria de Einstein, ou a ideia de que a gravidade é a matéria que distorce o espaço-tempo, persistiu por cem anos, à medida que novas descobertas astronômicas foram feitas.

 Alguns buracos negros têm uma corona, ou um anel de luz brilhante que se forma ao redor de um buraco negro à medida que o material cai nele e se torna aquecido a temperaturas extremas. Esta luz de raios-X é uma forma que os cientistas podem usar para estudar e mapear buracos negros.

 Conforme o gás cai em um buraco negro, ele pode atingir milhões de graus. Esse aquecimento extremo faz com que os elétrons se separem dos átomos, o que cria o plasma magnético. As poderosas forças gravitacionais do buraco negro fazem este campo magnético formar um arco bem acima do buraco negro e girar até quebrar.

 Isso não é diferente da coroa do sol, ou atmosfera externa quente. A superfície do sol é coberta por campos magnéticos, que causam a formação de loops e plumas à medida que interagem com partículas carregadas na coroa solar. É por isso que os cientistas se referem ao anel ao redor dos buracos negros como uma coroa.

 "Este campo magnético sendo amarrado e então se aproximando do buraco negro aquece tudo ao seu redor e produz esses elétrons de alta energia que então passam a produzir os raios X", disse Wilkins.

 Enquanto estudava os sinalizadores de raios-X, Wilkins avistou flashes menores. Ele e seus colegas pesquisadores perceberam que as chamas maiores de raios-X estavam sendo refletidas e "dobradas ao redor do buraco negro na parte de trás do disco", permitindo que vissem o outro lado do buraco negro.

 "Há alguns anos venho construindo previsões teóricas de como esses ecos aparecem para nós", disse Wilkins. "Eu já os tinha visto na teoria que vinha desenvolvendo, então assim que os vi nas observações do telescópio, pude descobrir a conexão."

 As observações foram feitas usando dois telescópios de raios-X baseados no espaço: NuSTAR da NASA e XMM-Newton da Agência Espacial Europeia.

 Mais observações serão necessárias para entender essas coronas de buracos negros e o próximo observatório de raios-X da Agência Espacial Europeia, chamado Athena, será lançado em 2031.

 "Ele tem um espelho muito maior do que já tivemos em um telescópio de raios-X e nos permitirá obter imagens de maior resolução em tempos de observação muito mais curtos", disse Wilkins. "Portanto, a imagem que estamos começando a obter dos dados no momento ficará muito mais clara com esses novos observatórios."

 

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês).


terça-feira, 3 de agosto de 2021

Quando os Estados Unidos detonaram uma bomba nuclear no espaço

www.iriahorn.net Iria Horn

POR BRIAN GUTIERREZ
PUBLICADO 21 DE JUL. DE 2021 13:15 BRT




Os resultados do teste Starfish Prime, de 1962, servem como um aviso do que pode acontecer se o campo magnético da Terra for atingido novamente com altas quantidades de radiação.

Estava totalmente escuro quando o pai de Greg Spriggs levou sua família ao ponto mais alto do Atol de Midway em 8 de julho de 1962. Naquela mesma noite, em outro atol a uma distância de 1,6 mil quilômetro, o exército dos Estados Unidos havia planejado lançar um foguete ao espaço a fim de testar uma bomba de fusão.

“Ele estava tentando encontrar a direção para a qual olhar”, relembra Spriggs. “Meu pai achava que haveria uma pequena oscilação, então queria ter certeza de que todos conseguiriam ver.”

Espectadores também haviam organizado “festas para observar a bomba” no Havaí, enquanto a contagem regressiva era transmitida por rádio de ondas curtas. Fotógrafos apontaram suas lentes para o horizonte enquanto debatiam sobre as melhores configurações de câmeras para capturar uma explosão termonuclear no espaço sideral.

O que aconteceu foi que a explosão — uma bomba de 1,4 megatons, 500 vezes mais poderosa do que a que caiu em Hiroshima — não foi sutil.

“Quando aquela arma nuclear detonou, o céu inteiro se iluminou em todas as direções. Parecia meio-dia”, relata Spriggs. A Starfish Prime explodiu a uma altitude de 400 quilômetros, mais ou menos a altura em que a Estação Espacial Internacional orbita atualmente. Por cerca de 15 minutos após a explosão inicial, partículas carregadas da detonação colidiram com moléculas na atmosfera da Terra, criando uma aurora artificial que pôde ser vista até mesmo na Nova Zelândia.

“Parecia que os céus haviam expelido um novo sol que brilhou brevemente, mas por tempo suficiente para incendiá-los”, de acordo com um relato no jornal Hilo Tribune-Herald. Um pulso eletromagnético que acompanhou a explosão desligou as estações de rádio, disparou uma sirene de emergência e fez com que as luzes dos postes se apagassem no Havaí.

No ano seguinte, os Estados Unidos, o Reino Unido e a União Soviética assinaram o Tratado de Proibição Parcial de Testes Nucleares, e o espaço sideral está livre de bombas-H por quase 60 anos. Mas os resultados do teste da Starfish Prime servem como um aviso do que pode acontecer caso o campo magnético da Terra seja atingido novamente com altas quantidades de radiação, seja por outra arma nuclear ou por fontes naturais como o sol.

Aquele dia ficou marcado na memória de Spriggs, que agora é cientista de armas no Laboratório Nacional Lawrence Livermore, na Califórnia, onde trabalha preservando e analisando imagens de arquivo de testes nucleares. “Eu disse a meu pai anos depois que, se eu soubesse que me tornaria físico de armas nucleares, teria prestado mais atenção”, conta.

A Guerra Fria esquenta
Um ano antes, em 1961, as negociações internacionais para proibição de testes nucleares haviam recuado. Após três anos sem testes, a União Soviética e os Estados Unidos romperam com a suspensão voluntária, e os soviéticos conduziram 31 explosões experimentais, incluindo a Bomba Tsar, a maior bomba nuclear já detonada. A detonação ocorreu em outubro de 1961, cerca de quatro mil metros acima de uma ilha no Círculo Polar Ártico.

A corrida espacial estava dando seus primeiros passos na época, e os militares norte-americanos não hesitavam em enviar quase qualquer coisa para o espaço. O Departamento de Defesa estava desenvolvendo um projeto individual para colocar 500 milhões de agulhas de cobre em órbita a fim de tentar refletir ondas de rádio e ajudar nas comunicações de longa distância. Havia até um plano para detonar uma explosão nuclear na lua, mas que acabou fracassando.

Cientistas e militares queriam saber o que aconteceria se uma explosão nuclear ocorresse no espaço, especialmente como ela poderia interagir com a magnetosfera da Terra. Apenas dois anos antes, o primeiro satélite norte-americano, o Explorer 1, descobriu acidentalmente que a Terra é cercada por anéis de intensa radiação que são mantidos em seus devidos lugares pelo campo magnético do planeta. Eles foram posteriormente chamados de cinturões de Van Allen, em homenagem a James Van Allen, o cientista da Universidade de Iowa que os descobriu.

“Van Allen disse quando descobriu os cinturões de radiação que o espaço não é vazio, o espaço é radioativo”, afirma David Sibeck, cientista da missão de sondas espaciais Van Allen, da Nasa. “A descoberta de Van Allen foi preocupante porque afirmava que qualquer futura espaçonave ou astronauta que enviássemos estaria exposto a essa radiação. E isso foi um choque naquela época.”

Antes do teste, os cientistas achavam que o impacto da Starfish Prime nos cinturões de radiação da Terra seria mínimo. Em uma coletiva de imprensa em maio de 1962, o presidente John F. Kennedy disse aos repórteres, em tom irônico: “Eu sei que existem preocupações sobre o cinturão de Van Allen, mas o próprio Van Allen afirma que a detonação não irá afetar o cinturão.”

Mas Van Allen estava errado.

Decolagem nuclear
Após quatro dias de adiamento, na espera por um clima favorável, a Starfish Prime foi lançada na ponta do foguete Thor, a partir do Atol de Johnston, uma ilha localizada a cerca de 1,3 mil quilômetro a sudoeste do Havaí. Os militares também enviaram 27 mísseis menores carregados com instrumentos científicos para medir seus efeitos. Aviões e barcos se posicionaram para registrar o teste de todas as maneiras possíveis. Sinalizadores foram disparados a fim de distrair aves locais do clarão cegante que estava por vir.

De acordo com Spriggs, os cientistas já sabiam que uma explosão nuclear no espaço se comporta de maneira muito diferente de uma no solo. Não há nuvem em forma de cogumelo, nem um clarão duplo. As pessoas no solo não sentem uma onda de choque nem ouvem nenhum som. Há apenas uma bola brilhante de plasma, que parece mudar de cor conforme as partículas carregadas da explosão são empurradas para a atmosfera pelo campo magnético da Terra. Esse efeito gera auroras artificiais coloridas e é por isso que essas armas nucleares de alta altitude às vezes eram chamadas de “bombas arco-íris”.

À medida que o campo magnético da Terra captou a radiação ionizada do teste Starfish Prime, criou-se um novo cinturão de radiação artificial que era mais forte e mais duradouro do que os cientistas haviam previsto. Esse inesperado “cinturão Starfish”, que durou pelo menos dez anos, destruiu o Telstar-1, o primeiro satélite a transmitir um sinal de televisão ao vivo, e o Ariel-1, o primeiro satélite da Grã-Bretanha.

“Foi uma surpresa descobrir o quanto era ruim, quanto tempo durou e como foi prejudicial para os satélites que sobrevoavam por aquela área e pararam de funcionar”, afirma Sibeck.

Precipitação nuclear
Ainda assim, o teste revelou algumas informações importantes sobre a radiação ao redor da Terra. A bomba liberou um rastreador especial de isótopos chamado cádmio-190. Seu propósito original era rastrear a precipitação do teste, mas ele também se tornou um recurso valioso para a compreensão dos padrões climáticos na alta atmosfera.

O teste também ajudou os Estados Unidos a entender como detectar detonações nucleares no espaço e construir um sistema, mais tarde denominado Vela Hotel, para monitorar testes de outros países. Esses avanços ajudaram a tornar mais realista um tratado para banir as armas nucleares no espaço.

Mas existem outras fontes potentes de radiação no espaço sideral. Segundo Sibeck, há uma chance muito pequena de que uma explosão solar no momento certo possa atingir o planeta com uma quantidade semelhante de radiação.

“Teria que ser maior do que a maioria das explosões que já vimos em nossas vidas ou durante a era espacial”, explica ele. “Mas já houve tempestades [geomagnéticas] dessa magnitude, e sabemos que aconteceram porque há relatos de pessoas que viram auroras em latitudes médias ou até mais baixas no início da civilização tecnológica.”

A maior tempestade geomagnética já registrada, chamada de Evento Carrington, atingiu a Terra em 1859. Ela produziu auroras na Austrália e provocou choques elétricos em operadores de telégrafo nos Estados Unidos. Se uma tempestade semelhante ocorresse hoje, as consequências seriam muito mais sérias do que linhas de telégrafo derrubadas.

“Há muito mais coisas que dependem de eletricidade e chips de computador do que em 1962. Coisas que temos em casa, em nossos carros, comunicações. Seria muito pior”, afirma Sibeck.

No improvável caso de outra bomba nuclear explodir no espaço, Geoff Reeves, pesquisador do Laboratório Nacional de Los Alamos, no Novo México, está trabalhando para desenvolver uma maneira rápida de se livrar dos cinturões de radiação produzidos a partir de explosões nucleares. Em seu projeto, um transmissor montado em um satélite atinge a radiação capturada com ondas de rádio AM especializadas, que empurram as partículas carregadas para baixo na atmosfera, onde seriam absorvidas sem causar danos.

“Enfim, se hoje houvesse um cinturão Starfish e a tecnologia adequada no espaço, poderíamos nos livrar dele em algumas semanas”, afirma Reeves.

Fonte:
NATIONAL GEOGRAPHIC 

quarta-feira, 23 de junho de 2021

Idem ao outro

www.iriahorn.net Iria Horn




sexta-feira, 14 de maio de 2021

Senhor te procuro

www.iriahorn.net Iria Horn

Senhor!
Te procuro no cantar dos pássaros
No levantar do voo da gaivota
No fogo que ainda queima
No inverno que arrepia
Na primavera sinto-te,
Minha  alegria!
By Iria Horn




segunda-feira, 26 de abril de 2021

Recolha as estrelas



Recolha as estrelas
Ainda em sementes
Desenha o infinito
E plante-as em outros céus,
Bem longe
Adube-as com sonhos
Regue-as com lágrimas
E espera pelos segredos
Daquela que escolheste tê-la,
Bem perto
Jaak Bosmans



                                                                


                                                                                                                                                                                                                
 


domingo, 18 de abril de 2021

O "Recalque"

www.iriahorn.net Iria Horn

O "Recalque"

O que é?

Não é a mesma coisa que inveja?

Você já deve ter ouvido falar sobre sobre o termo "Recalque".
E é provável que você tenha ouvido sendo usado da maneira incorreta.
É provável que quem disse não sabe o que isso quer dizer.

Qual seria então o significado correto desse conceito tão usado por pessoas que se dirigem em alguns episódios da vida 'a você?
Qual a diferença entre inveja e recalque!

A definição de "Recalque" de acordo com a psicanálise, é um mecanismo de defesa que protege a pessoa de pensamentos que sejam contrários ao "eu". 

Uma pessoa recalcada está colocando em destaque as situações, desejos ou problemas em si que não quer admitir.

Já a inveja se define como alguém que queira muito algo que só você tem. A inveja é aquele sentimento relacionado a raiva diante de algo que outra pessoa tem e você não pode ter. É como se você quisesse ter exatamente o que o outro tem, seja isso um objeto material ou não.

A diferença entre recalque e inveja

Agora que você já sabe a definição de recalque e inveja é mais fácil de entender a diferença entre os dois conceitos?

O primeiro se refere às suas próprias fraquezas e ao modo como o seu subconsciente ou até mesmo consciente encontrou para te proteger delas. O segundo se relaciona com a sua obsessão por algo ou alguém que não pode ter.

O reprimido (ou recalcado) constitui, para Freud, o componente central do inconsciente. "O recalcado se sintomatiza", diz o fundador da psicanálise. Ou seja: pela repressão, os processos inconscientes só se tornam conscientes através de seus derivados - os sonhos ou os sintomas neuróticos.


Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo. (Lc 6:38)






domingo, 21 de março de 2021

Fortaleça seu pulmão com nabo branco

www.iriahorn.net Iria Horn




O nabo é eficaz na limpeza e no tratamento dos distúrbios do muco brônquico como tosse, bronquite e asma. Além disso, O nabo ajuda a dispersar a congestão pulmonar.
Nabo é desintoxicante, diurético e protege o cólon do útero

Benefícios do Nabo Para Coração:
Todo mundo parece estar procurando o grande segredo para um sistema cardiovascular saudável. Enquanto frutas e vegetais são sempre uma boa escolha, o Nabo faz um impacto ainda maior do que o habitual, dado o elevado nível de Potássio. Atuando como um vasodilatador e reduzindo a pressão sanguínea, bem como o esforço sobre o coração. Além disso, Os níveis elevados de folato em pastinaga é o complemento perfeito, uma vez que reduz os níveis de homocisteína no sangue, os quais estão associados com um maior risco de doença cardíaca.

Nabo é Rico em Fibra Dietética: Os Nabos foram elogiados por seu alto teor de fibra por muitos anos, especialmente porque é composto de fibra solúvel. Isto está intimamente associado com a redução dos níveis de colesterol (aumentando ainda mais a saúde do coração) e com uma menor chance de desenvolver Diabetes. Além disso, a fibra alimentar é uma componente chave do nosso processo digestivo, facilitando o movimento saudável de alimentos através do trato digestivo, a redução da constipação e para a prevenção de outras doenças gastrointestinais.

Benefícios do Nabo Para Sistema Imunológico: O Nabo também é composto com vitaminas antioxidantes e compostos orgânicos que protegem o corpo contra invasores estranhos, bem como subprodutos tóxicos do nosso próprio metabolismo celular. A Vitamina C e Vitamina E agem como antioxidantes no corpo e eliminam ou neutralizam os radicais livres que podem causar doenças crônicas, incluindo o câncer. A Vitamina C também estimula a produção de glóbulos brancos para atacar a doença e micróbios estranhos no corpo, além de funcionar como um elemento-chave na produção de colágeno.

Receita de xarope de nabo branco:

1 nabo branco grande daquele comprido
mel

Lave bem o nabo e corte em rodelas
Coloque em uma travessa de vidro e cubra todo o nabo com mel
leve a geladeira e deixe de um dia para outro
dia seguinte retire os nabos
e despeje o xarope em um recipiente de vidro e guarde na geladeira
tome uma colher do xarope 3 vezes ao dia.

Fortaleça seu pulmão para que os invasores aéreos não o contaminem



EU

A vida é da cor que você pinta

www.iriahorn.net Iria Horn

De onde eu vim

De onde eu vim
De onde eu vim Das entranhas da luz De onde o tempo não tem fim E onde a felicidade se reproduz Havia um recanto guardado p’ra ti No infinito daquela muralha existe num castelo que nunca vi Mas onde, dizem,que nada falha Nesse lugar infinito Onde o amor (re)nasce E a tristeza se suicida No sitio onde viver é bonito E ter emoção é ser atrevida Lá, havia um ruela perfumada Pelo sonho de uma vida Que me estava pelo destino abençoada Vestia-me com um vestido da ousadia Andava de braço dado com o luar Procurei-te no trilho do amor Desorientada e perdida por não te encontrar Deixo-te na esquina do tempo a flor Que tenho para te oferecer Agora, já era tarde, tenho de voltar Para o lugar de onde vim Amanhã voltarei para te procurar Porque os sonhos são sempre assim angela caz