segunda-feira, 21 de fevereiro de 2022

'Nave espacial' entrando no Museu do Futuro de Dubai

www.iriahorn.net Iria Horn

'Nave espacial' ou "OVNI" entrando no Museu do Futuro de Dubai


Eu não acredito em OVNIS






Base lunar poderá ter equipe de centenas ou milhares

www.iriahorn.net Iria Horn

Na conferência de Transporte Comercial do Espaço deste ano posicionado pela Administração da Aviação Federal (FAA) em Washington, DC (EUA), o diretor espacial do desenvolvimento espacial civil Nick Cummings provocou planos futuros de uma base da lua.

Crédito da imagem ilustrativa: SpaceX


A empresa liderada por Elon Musk está “animada para integrar coisas como habitats e jipes sondas e suprimentos” com a espaçonave Starship da SpaceX para criar um “rico ecossistema de tecnologias” para uma “incrível base lunar”, disse Cummings no evento, conforme citado repórter espacial Michael Sheetz, da CNBC.

Ele adicionou:
“Eu posso dizer Base ‘Lunar’, certo? Estamos em uma conferência espacial.”

Os comentários da Cumming mostram que há muito entusiasmo para estabelecer uma presença permanente na Lua – embora se acontecer, provavelmente vai demorar muitos anos.

A notícia vem depois que a SpaceX fez um grande show ao empilhar seu protótipo de nave espacial de classe orbital apelidado de Ship 20 em cima de seu booster Super Heavy, uma colossal torre de 118 metros de pano de fundo para uma apresentação espetacular que Elon Musk deu na semana passada.

Enquanto ainda não sabemos quando o primeiro voo de teste orbital da empresa acontecerá, Musk tem planos altamente ambiciosos para a enorme espaçonave, incluindo o envio das astronautas da NASA para a Lua nos próximos dois anos.

A mesma nave espacial poderia ajudar a transportar cargas para a superfície lunar também, potencialmente fornecendo as matérias-primas para o estabelecimento de um assentamento permanente.

Na conferência, Cummings comparou uma base lunar para um acampamento base abaixo do Monte Everest, “com centenas ou milhares de cientistas e exploradores“.

Mas muitos desafios permanecem, especialmente quando se trata de acessibilidade e tornar a Starship um sistema de lançamento pesado muito reutilizável.

Problemas de imagem muito maiores também estão em jogo. Cummings ecoou os sentimentos de Musk de que a humanidade necessita ser interplanetária para sobreviver.

“Eu acho que se espalhar para fora além da Terra vai ser fundamental para preservar o futuro da humanidade“, argumentou Cummings na conferência, referindo-se ao fato de que se espalhar pelo mundo já provou ser “chave para a nossa sobrevivência“.



sexta-feira, 14 de janeiro de 2022

Os bilionários não vão a lugar algum

www.iriahorn.net Iria Horn

Por Paris Marx, na Jacobin | Tradução: Vitor Costa

Deixemos os bilionários no espaço!


Falsa corrida espacial está em curso.
Rende lucros e marketing. 
Seus protagonistas sugerem que as soluções para o planeta estão no espaço, enquanto capturam a riqueza coletiva e liquidam ecossistemas. 
Mas para que precisamos do 0,1%?

No dia 7 de junho, Jeff Bezos anunciou sua intenção de viajar ao espaço no dia 20 do mês seguinte, apenas quinze dias após o fim de seu mandato como CEO da Amazon. Esse anúncio foi considerado uma nova e audaciosa etapa na corrida espacial entre bilionários, que vem se intensificando nos últimos anos. Entretanto, não demorou muito para que a verdadeira razão desse anúncio viesse a luz: pouco depois que Bezos anunciou sua data de partida, o CEO da Virgin Galatic, Richard Branson, conhecido por suas iniciativas marqueteiras, decidiu desafiar o homem mais rico do mundo em órbita e anunciou seu próprio voo espacial para o dia 11 de julho.

Mas enquanto esses bilionários se ocupam com as estrelas e a mídia dá um generoso espaço a essas iniciativas espaciais, as provas de que do clima de nosso planeta está mudando rapidamente, de maneira que se tornará hostil à vida – tanto humana quanto as outras – se acumulam.

No fim do mês de junho, Jacobabad, uma cidade de 200 mil habitantes no Paquistão, experimentou uma condição climática chamada de “bolha úmida”, quando uma forte umidade e temperaturas altíssimas interagem a um nível no qual não é mais possível ao corpo humano se resfriar. Nessa mesma época, do outro lado do mundo, na costa oeste da América do Norte, uma concentração de calor agravado pela mudança climática fez aumentar as temperaturas a tal ponto que a cidade de Litton, na Colúmbia Britânica, auferiu 49,6ºC, ultrapassando em 4,6ºC o recorde precedente de temperatura no Canadá. Após essa marca, a cidade foi reduzida a cinzas por um incêndio florestal.

O contraste entre as histórias é impressionante. De um lado, bilionários se lançam num concurso de comparação peniana para descobrir quem sairá primeiro da atmosfera. E de outro lado, bilhões de nós que nunca faremos tal tipo de viagem, devemos lidar cada vez mais frequentemente com as consequências dos efeitos do capitalismo sobre o clima — e das décadas que seus apoiadores mais poderosos gastaram para sufocar qualquer ação para combatê-las.

No momento em que deveríamos fazer de tudo para manter o planeta habitável, os bilionários estão dando um show para nos distrair de sua busca contínua por acumulação capitalista e seus efeitos desastrosos que já começam a aparecer.

O espetáculo dos bilionários no espaço

Em maio de 2020, nós assistimos a uma demonstração parecida da ambição espacial dos bilionários. Enquanto americanos saíam às ruas após o assassinato de George Floyd e ao mesmo tempo em que o governo não fazia nada para evitar que o coronavírus varresse o país, Elon Musk e o presidente Donald Trump se reuniam na Flórida para celebrar o primeiro lançamento da SpaceX, com astronautas rumo à Estação Espacial Internacional.

Enquanto as pessoas comuns lutavam por suas vidas, tivemos a impressão de que a elite vivia num mundo completamente à parte e não tinha nenhum escrúpulo em mostrá-lo. Não havia necessidade de estar em outro planeta.

Nos últimos anos, enquanto a corrida espacial dos bilionários se intensificava, o público se familiarizou com suas grandes ideias para nosso futuro. Elon Musk, com sua SpaceX, quer que colonizemos Marte e sempre afirma que a missão de sua empresa espacial é implementar infraestrutura para isso. Ele deseja que a Humanidade se torne “multiplanetária” e diz que uma colônia marciana seria um “plano B” caso a Terra se torne inabitável.

Enquanto isso, Bezos não tem tempo para colonizar Marte. Em vez disso, ele acha que devemos construir grandes estruturas na órbita da Terra onde a população humana possa crescer até um trilhão de pessoas sem causar danos adicionais ao meio ambiente do planeta. Enquanto viveríamos nossas vidas nos “cilindros de O’Neill”, como são chamados, tiraríamos férias ocasionais na superfície para experimentar as maravilhas do mundo que outrora chamávamos de nosso lar.

Nenhum desses futuros é atraente se olharmos além da retórica otimista dos bilionários. A vida em Marte seria terrível por pelo menos centenas de anos e provavelmente mataria uma grande parte daqueles que fizessem a viagem, enquanto a tecnologia para criar colônias espaciais massivas não existe, nem será viável num futuro próximo. Então, de que adianta promover esses futuros diante de uma ameaça sem precedentes à nossa espécie aqui na Terra? Trata-se de mobilizar o público para uma nova fase de acumulação capitalista, cujos benefícios serão colhidos por esses bilionários.

Para ser claro, essa corrida espacial nem mesmo significa algo ambicioso, como a mineração de asteroides. Em vez disso, sua forma fica clara em eventos como o de maio passado: enquanto Musk e mesmo Trump continuavam a macaquear o espetáculo de Marte para o público, a SpaceX se tornava não apenas um player importante na indústria espacial privada, mas também ganhava a permissão para receber um aumento de bilhões de dólares em contratos militares do governo. Os grandes eventos, lançamentos de foguetes e espetáculos de bilionários deixando a atmosfera são todos cortina de fumaça para a economia espacial real.

A parceria espacial público-privada
Ainda que Richard Branson utilize esse golpe publicitário para se promover, a verdadeira concorrência é entre Jeff Bezos e Elon Musk. Embora compitam entre si, eles também possuem importantes interesses em comum. Em 2004, ambos se encontraram para discutir suas respectivas visões do espaço, o que levou Musk a chamar as ideias de Bezos de “estúpidas”. Após essa discussão, eles se provocam de tempos em tempos, o que a mídia adora, mas eles trabalham e conjunto para promover uma indústria espacial privada na qual ambos têm a ganhar.

Os anos de competição entre a SpaceX e a Blue Origin por plataformas de pouso, patentes e contratos da NASA mostram qual realmente é a corrida espacial bilionária. O exemplo mais recente é um contrato de US $ 2,9 bilhões da NASA com a SpaceX para construir um módulo lunar, que a Blue Origin e a empresa de defesa Dynetics contestaram. No processo, o Congresso considerou aumentar o orçamento da NASA em US $ 10 bilhões, em parte para poder conceder um segundo contrato à Blue Origin. Este não é o único exemplo de financiamento público para a indústria espacial ostensivamente privada.

Em um relatório de 2019, a Space Angels estimou que US $ 7,2 bilhões foram pagos à indústria espacial comercial desde 2000 e especificamente indicou a SpaceX como uma empresa cujo sucesso inicial dependia de contratos da NASA. E as empresas espaciais privadas não se contentam apenas em criar relações com a agência espacial pública.

A SpaceX obteve uma licitação de US $ 149 milhões com o Pentágono para a construção de satélites de rastreamento de mísseis e dois outros contratos no valor de US $ 160 milhões para o uso de seus foguetes Falcon 9. Ela também venceu um contrato inicial de US $ 316 milhões para fornecer um lançador de foguetes para a Força Espacial dos Estados Unidos — que provavelmente valerá muito mais no futuro — e ainda está construindo um foguete para os militares que possui alcance em todo o mundo. Para completar, a SpaceX garantiu US $ 900 milhões em concessões da Federal Communications Commission (FCC) para fornecer tecnologia de banda larga rural por meio de seus satélites Starlink, de reputação questionável.

Apesar de todos os elogios às empresas espaciais privadas e aos bilionários espaciais que as defendem, elas continuam fortemente dependentes de verbas governamentais. Esta é a verdadeira face da indústria espacial privada: bilhões de dólares em contratos com a NASA, militares e, cada vez mais, telecomunicações que ajudam empresas como a SpaceX e a Blue Origin a controlar a infraestrutura do espaço. Tudo isso é justificado ao público pela promessa de grandes soluções que, na verdade, nada mais são do que manobras de marketing.

Parte do motivo pelo qual a SpaceX teve sucesso em ganhar esses contratos é que Musk não é um inventor, mas um marqueteiro. Ele sabe como usar truques de relações públicas para chamar a atenção das pessoas, o que lhe permite fechar contratos lucrativos. Ele também sabe o que não destacar, como contratos militares potencialmente polêmicos que não são assunto de tweets ou vídeos de anúncio de lançamentos. A viagem de Jeff Bezos ao espaço é um “espetáculo”, pois ele percebe que se apresentar é essencial para atrair a atenção do público e dos burocratas que decidem quem vence as licitações públicas.

Os bilionários não vão a lugar algum

Durante anos, se teme que os investimentos dos bilionários no espaço possam ser usados para escapar do caos climático que seu pequeno grupo continua causando na Terra. Esta é a história do filme “Elysium” de Neill Blomkamp: os ricos vivem em uma colônia espacial e o resto de nós sofre em uma Terra devastada pelo colapso climático, enquanto somos empurrados por robôs policiais para fazermos o trabalho que torna possível a abundância da colônia. Mas esse não é realmente o futuro para o qual caminhamos.

Como Sim Kern explica, para manter alguns indivíduos vivos na Estação Espacial Internacional precisamos de milhares de pessoas e essa tarefa fica cada vez mais difícil quanto mais você se afasta do único mundo que podemos realmente chamar de lar. Colônias marcianas ou enormes estações espaciais não estão prestes a surgir; eles não constituirão nenhum “plano B” ou rota de fuga. Enquanto bilionários perseguem o lucro no espaço e fortalecem seus egos no processo, eles também se preparam para o apocalipse climático aqui na Terra, mas estão fazendo planos apenas para si mesmos.

Assim como Musk usa narrativas enganosas sobre o espaço para alimentar o entusiasmo do público, ele também o faz com as soluções climáticas. Seu portfólio de carros elétricos, instalações solares suburbanas e outros projetos de transporte são apresentados ao grande público, embora sejam concebidos para funcionar melhor, ou exclusivamente, para a elite. Os bilionários não saem do planeta, eles se isolam dos outros terráqueos com veículos à prova de balas, comunidades fechadas movidas a baterias e talvez até túneis de transporte exclusivos. Eles possuem os meios para manter várias casas e ter jatos particulares em espera, se precisarem fugir de um desastre natural ou de um escândalo público.


Precisamos desesperadamente que o público veja além do espetáculo da corrida espacial dos bilionários e reconheça que eles não estão preparando as bases para um futuro fantástico e nem mesmo para o avanço do conhecimento científico do universo. Estão tentando prolongar nosso sistema capitalista definhante, enquanto desviam recursos e atenção do desafio mais urgente que enfrenta a esmagadora maioria do planeta. Em vez de permitir que os bilionários continuem a brincar no espaço, precisamos nos apoderar da riqueza que eles tiraram de nós e redistribuí-la para resolver a crise climática antes que seja tarde demais.



quarta-feira, 22 de dezembro de 2021

www.iriahorn.net Iria Horn






A vida pode nos dar muitos embrulhos, uns com papel fino, outros nem tanto... Mas o que realmente importa é o que vem de dentro: o perdão, a chance bem aproveitada, os abraços sinceros; enfim, o amor. O resto é apenas sobra de papel que um dia embrulhou uma caixa...

terça-feira, 21 de dezembro de 2021

AS FORÇAS MALIGNAS

www.iriahorn.net Iria Horn



É impossível não perceber a movimentação das energias neste momento. Mesmo que uma parcela significativa da humanidade ainda não tenha o conhecimento do que de fato está acontecendo, a cada dia, aumenta mais o número de pessoas que despertam para uma nova consciência.
É esse acordar que faz ver a nova realidade.


Até agora, as FORÇAS MALIGNAS que dominaram , embora sabiam que o processo é irreversível, tinham a convicção que poderiam permanecer por muitos anos ainda por aqui, em seus postos de comando. Através dos seus tentáculos humanos, oprimiram e enganaram a humanidade. Pelo medo, pelas mentiras, pelas crenças limitantes, pela ignorância e pelo sono da alma, a humanidade esteve refém deles. Os Senhores das Trevas acreditavam que isso ainda duraria muito tempo.
Mas não é o que está acontecendo. A nova consciência é libertadora. Ninguém tem poder sobre ela, a não ser o seu próprio dono. E assim sendo, as Sombras não conseguem mais dominar a massa humana.
Sentindo-se impotentes, todas as pessoas que se alinhavam com as trevas, os “controladores” da humanidade, não tiveram mais outra alternativa que sair de seus esconderijos e se mostrar para a Luz. E esse movimento provocou essa agitação que vemos no mundo todo e que você chama de caos. Todas as falcatruas ficaram visíveis. 

Mas a velha energia para onde irá? Bom, isso nem precisa entender muito do mundo oculto para compreender. A própria física explica. A Lei de Lavoisier por exemplo, diz que nada se cria e nada se perde, tudo se transforma.

E agora estamos vendo as SOMBRAS e tudo o que elas representam, passando por um estágio de: 
AUTO DESTRUIÇÃO.
 
Toda essa confusão “aparente” que vemos deixando de existir. É a representação do mal se autodestruindo.

Quanto mais distante as Sombras irão ficando, mais barulho elas fazem para se fazerem ouvir por todos nós que estamos mudando de estação. É quase um pedido de socorro. É o lamento de ter que se deixar morrer para o velho hábito que sempre as sustentaram. Elas sabem que o seu tempo terminou!
 Chegou a hora de se dissolver definitivamente.

E você que está lendo isso, escolheu o caminho da Luz. Então, não te prendas àqueles que se lamentam o destino que escolheram. Não se deixe contaminar pelas baixas vibrações pois isso pode retardar os teus passos e tropeçar aqui e ali. Levante os olhos para o novo e caminhe na LUZ!



Eu gosto de gente

www.iriahorn.netIria Horn



E no final de tudo é você com você mesma.
O que os outros pensam sobre você faz tanta diferença na sua vida quanto uma bicicleta faz diferença na vida de um peixe. Se preocupar com o que os outros pensam diminui drasticamente a sua felicidade, porque te afasta cada vez mais de quem você é. Se você muda a si mesmo por causa do pensamento alheio, além de se tornar alguém artificial, continuará insatisfeito, porque os outros continuarão pensando e falando mal de você e sempre encontrarão algo para criticar. Isso se torna um ciclo sem fim. Essa é a sua vida, preocupe-se com o que você pensa dela, com a sua felicidade e a sua própria satisfação. Apenas isto pode indicar se você precisa de uma mudança e se está no caminho certo ou errado.

Boa sorte!
By






terça-feira, 16 de novembro de 2021

Quero ser velho

www.iriahorn.net Iria Horn





Quero ser velho andar na rua de meia e chinelo, passear na praça de pijama e chapéu, sentar no banco 
debaixo da figueira e esquecer do tempo. 

Quero ser velho e não escutar quando não me interessar, faltar aos compromissos chatos, aparecer sem ser convidado para um cafezinho. 

Quero dormir a tarde toda e de noite reclamar que estou com insônia. 

Quero ser velho distrair-me com o nada esperando a morte chegar, mas mudar de endereço 
para ela não me encontrar...

Rudimar J M Zimmer

terça-feira, 31 de agosto de 2021

VOCÊ É...

www.iriahorn.net Iria Horn

VOCÊ É...





Você é os brinquedos que brincou, as gírias que usava, você é os nervos a flor da pele no vestibular, os segredos que guardou, você é sua praia preferida, Garopaba, Maresias, Ipanema, você é o renascido depois do acidente que escapou, aquele amor atordoado que viveu, a conversa séria que teve um dia com seu pai, você é o que você lembra.

 

Você é a saudade que sente da sua mãe, o sonho desfeito quase no altar, a infância que você recorda, a dor de não ter dado certo, de não ter falado na hora, você é aquilo que foi amputado no passado, a emoção de um trecho de livro, a cena de rua que lhe arrancou lágrimas, você é o que você chora.

 

Você é o abraço inesperado, a força dada para o amigo que precisa, você é o pelo do braço que eriça, a sensibilidade que grita, o carinho que permuta, você é as palavras ditas para ajudar, os gritos destrancados da garganta, os pedaços que junta, você é o orgasmo, a gargalhada, o beijo, você é o que você desnuda.

 

Você é a raiva de não ter alcançado, a impotência de não conseguir mudar, você é o desprezo pelo o que os outros mentem, o desapontamento com o governo, o ódio que tudo isso dá, você é aquele que rema, que cansado não desiste, você é a indignação com o lixo jogado do carro, a ardência da revolta, você é o que você queima.

 

Você é aquilo que reinvidica, o que consegue gerar através da sua verdade e da sua luta, você é os direitos que tem, os deveres que se obriga, você é a estrada por onde corre atrás, serpenteia, atalha, busca, você é o que você pleiteia.

 

Você não é só o que come e o que veste. Você é o que você requer, recruta, rabisca, traga, goza e lê. Você é o que ninguém vê.

 

Martha Medeiros

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Entenda como luz detectada em buraco negro cumpre previsão de Einstein

www.iriahorn.net Iria Horn

Buraco negro chamado Cygnus X-1Foto: M.Weiss / CXC - Nasa



E se esse buraco negro for o túnel da passagem para o outro lado descrito por muitos, experiência pós morte? (Meditação By Iria Horn)


A descoberta cumpre previsão enraizada na teoria da relatividade criada pelo notório cientista

 Ashley Strickland, da CNN

03 de agosto de 2021 às 08:00

Wilkins notou flashes menores de raios-X que ocorreram depois e eram de cores diferentes - e eles estavam vindo do outro lado do buraco negro.

"Qualquer luz que entra naquele buraco negro não sai, então não devemos ser capazes de ver nada que esteja por trás do buraco negro", disse Wilkins, autor do estudo e cientista pesquisador do Instituto Kavli para Astrofísica de Partículas e Cosmologia na Stanford University e SLAC National Accelerator Laboratory em um comunicado.


 Um show de luzes como nenhum outro visto no espaço.

 Pela primeira vez, os cientistas detectaram luz atrás de um buraco negro, e ela cumpre uma previsão enraizada na teoria da relatividade geral de Albert Einstein.

 O astrofísico da Universidade de Stanford Dan Wilkins e seus colegas observaram raios-X que foram liberados por um buraco negro supermassivo localizado no centro de uma galáxia que fica a 800 milhões de anos-luz da Terra.

 Essas intensas chamas de luz não são incomuns porque, embora a luz não possa escapar de um buraco negro, a enorme gravidade ao seu redor pode aquecer o material a milhões de graus. Isso pode liberar ondas de rádio e raios-X. Às vezes, esse material superaquecido é lançado no espaço por jatos rápidos - incluindo raios X e raios gama.

 Mas Wilkins notou flashes menores de raios-X que ocorreram depois e eram de cores diferentes - e eles estavam vindo do outro lado do buraco negro.

 "Qualquer luz que entra naquele buraco negro não sai, então não devemos ser capazes de ver nada que esteja por trás do buraco negro", disse Wilkins, autor do estudo e cientista pesquisador do Instituto Kavli para Astrofísica de Partículas e Cosmologia na Stanford University e SLAC National Accelerator Laboratory em um comunicado.

 No entanto, a natureza estranha do buraco negro realmente tornou a observação possível.

 "A razão pela qual podemos ver isso é porque aquele buraco negro está deformando o espaço, dobrando a luz e torcendo os campos magnéticos em torno de si mesmo", disse ele.

 O estudo foi publicado na última quarta-feira (29) na revista Nature.

 "Cinquenta anos atrás, quando os astrofísicos começaram a especular sobre como o campo magnético poderia se comportar perto de um buraco negro, eles não tinham ideia de que um dia poderíamos ter as técnicas para observar isso diretamente e ver a teoria geral da relatividade de Einstein em ação", disse Roger Blandford, co-autor do estudo e Luke Blossom Professor na Escola de Humanidades e Ciências e professor de física na Universidade de Stanford, em um comunicado.

 A teoria de Einstein, ou a ideia de que a gravidade é a matéria que distorce o espaço-tempo, persistiu por cem anos, à medida que novas descobertas astronômicas foram feitas.

 Alguns buracos negros têm uma corona, ou um anel de luz brilhante que se forma ao redor de um buraco negro à medida que o material cai nele e se torna aquecido a temperaturas extremas. Esta luz de raios-X é uma forma que os cientistas podem usar para estudar e mapear buracos negros.

 Conforme o gás cai em um buraco negro, ele pode atingir milhões de graus. Esse aquecimento extremo faz com que os elétrons se separem dos átomos, o que cria o plasma magnético. As poderosas forças gravitacionais do buraco negro fazem este campo magnético formar um arco bem acima do buraco negro e girar até quebrar.

 Isso não é diferente da coroa do sol, ou atmosfera externa quente. A superfície do sol é coberta por campos magnéticos, que causam a formação de loops e plumas à medida que interagem com partículas carregadas na coroa solar. É por isso que os cientistas se referem ao anel ao redor dos buracos negros como uma coroa.

 "Este campo magnético sendo amarrado e então se aproximando do buraco negro aquece tudo ao seu redor e produz esses elétrons de alta energia que então passam a produzir os raios X", disse Wilkins.

 Enquanto estudava os sinalizadores de raios-X, Wilkins avistou flashes menores. Ele e seus colegas pesquisadores perceberam que as chamas maiores de raios-X estavam sendo refletidas e "dobradas ao redor do buraco negro na parte de trás do disco", permitindo que vissem o outro lado do buraco negro.

 "Há alguns anos venho construindo previsões teóricas de como esses ecos aparecem para nós", disse Wilkins. "Eu já os tinha visto na teoria que vinha desenvolvendo, então assim que os vi nas observações do telescópio, pude descobrir a conexão."

 As observações foram feitas usando dois telescópios de raios-X baseados no espaço: NuSTAR da NASA e XMM-Newton da Agência Espacial Europeia.

 Mais observações serão necessárias para entender essas coronas de buracos negros e o próximo observatório de raios-X da Agência Espacial Europeia, chamado Athena, será lançado em 2031.

 "Ele tem um espelho muito maior do que já tivemos em um telescópio de raios-X e nos permitirá obter imagens de maior resolução em tempos de observação muito mais curtos", disse Wilkins. "Portanto, a imagem que estamos começando a obter dos dados no momento ficará muito mais clara com esses novos observatórios."

 

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês).


EU

A vida é da cor que você pinta

www.iriahorn.net Iria Horn

De onde eu vim

De onde eu vim
De onde eu vim Das entranhas da luz De onde o tempo não tem fim E onde a felicidade se reproduz Havia um recanto guardado p’ra ti No infinito daquela muralha existe num castelo que nunca vi Mas onde, dizem,que nada falha Nesse lugar infinito Onde o amor (re)nasce E a tristeza se suicida No sitio onde viver é bonito E ter emoção é ser atrevida Lá, havia um ruela perfumada Pelo sonho de uma vida Que me estava pelo destino abençoada Vestia-me com um vestido da ousadia Andava de braço dado com o luar Procurei-te no trilho do amor Desorientada e perdida por não te encontrar Deixo-te na esquina do tempo a flor Que tenho para te oferecer Agora, já era tarde, tenho de voltar Para o lugar de onde vim Amanhã voltarei para te procurar Porque os sonhos são sempre assim angela caz